9 de dezembro de 2013

a golpada que impôs o António Parada como candidato do PS em Matosinhos

Estou cansada de ouvir o argumento de que a escolha do Parada foi democrática.

Não é verdade!!!

Em Matosinhos não houve directas e o António Parada foi indicado candidato oficial do PS à Câmara Municipal de Matosinhos por uma deliberação da Comissão Política Concelhia de Matosinhos, deliberação essa que foi tomada sem que fosse tornado público e divulgado por todos os militantes do PS Matosinhos o início do processo para a escolha do candidato a Presidente da Câmara.

Pelo que houve quem impugnasse tal deliberação e pedisse a suspensão da sua execução...

Porém, o sr Presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP do PS – Emanuel Teixeira - pura e simplesmente ignorou os argumentos invocados pelo impugnante, indeferiu a impugnação à revelia dos regulamentos, por pretensa falta de legitimidade e não fez seguir para a Comissão Nacional de Jurisdição o pedido de suspensão da execução da deliberação em causa apesar de a isso estar obrigado pelo Regulamento Processual e Disciplinar do PS.

Infelizmente, na altura o militante que tinha feito a impugnação adoeceu e esteve internado mais de 3 semanas correndo grave risco de vida, pelo que não teve a possibilidade de continuar com o processo e levá-lo até ao Tribunal Constitucional, se no PS não lhe dessem razão, e a nomeação do Parada para candidato a Presidente da Câmara foi assim branqueada...

Para a história aqui ficam publicadas a Impugnação da Deliberação, o Pedido de Suspensão da Execução dessa Deliberação e a "douta" resposta do Presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da F D P do P S à Impugnação apresentada


IMPUGNAÇÃO DA DELIBERAÇÃO 
































PEDIDO DE SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO DA DELIBERAÇÃO



















A "DOUTA" RESPOSTA AO PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO






3 de dezembro de 2013

carta aberta ao Presidente Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS

Exmo. Sr. Presidente Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS
Doutor Emanuel Teixeira

Deveria começar esta carta pedindo-lhe desculpa pela minha arrogância… mas não o faço!! e não o faço pela simples razão de que o sr doutor demonstra ter uma arrogância muito maior que a minha!!
Sobre arrogância estamos conversados… a sua arrogância é maior!
No entanto há algo que eu tenho em maior quantidade que o sr  doutor… e que é vergonha!!
… Pois eu, Otília Gradim Reisinho, morreria de vergonha  se fosse presidente de uma Comissão Federativa de Jurisdição  do PS e  me permitisse organizar um processo disciplinar  tal e qual  aquele que o sr, enquanto presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS  me mandou instaurar e do qual tem sido o Relator.
Que o Ernesto Pascoa tenha assinado a participação eu compreendo... primeiro porque o Ernesto Pascoa tem várias limitações, a ponto de nos fazer crer que ainda tem interiorizados valores muito queridos à ditadura Salazarista… como ressalta da forma como escolheu a prova para tal participação. Não consigo é compreender como o sr. doutor que, no mínimo dos mínimos terá que ter uma licenciatura em direito, é patrocinador duma acusação com a qual o denunciante pretende o afastamento de um seu adversário do acto eleitoral a que concorre (não será isto pretender ganhar na secretaria, com recurso a golpes fraudulentos, aquilo que se teme não se conseguir ganhar nas urnas?) …

E não é que agora, terminado que foi o prazo para eu apresentar a minha defesa, vem o senhor Relator emitir um despacho autorizando que me sejam fornecidas as fotocópias da participação que eu tinha requerido no principio deste processo disciplinar, fotocópias essas que o senhor presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS, em dois anteriores despachos, me tinha negado, o primeiro com o argumento de que “é consabido que o Regulamento Processual e Disciplinar e os Estatutos do PS apenas prevêm a consulta e jamais a realização de cópias” e o segundo com os argumentos de que o despacho em que me negava as fotocópias  não admitia recurso por contemplar “uma decisão que é de mero expediente e ainda de poder discricionário”
Será que o senhor Relator descobriu um novo significado para o termo “consabido” e que está agora a admitir formalmente que o 1º despacho do senhor presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS nem era um despacho de mero expediente nem foi praticado no uso de um poder discricionário?
… ou será que tudo isto não passa apenas de uma tentativa do senhor Relator de limpar com uma mão a borrada que o senhor presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS tinha feito com a outra???

Eis o despacho que recebi ontem e que motiva esta minha “carta aberta”





























O qual foi emitido após Lisboa ter recebido a seguinte impugnação que enviei directamente para a Comissão Nacional de Jurisdição 




















Para quem não acompanhou o processo de inicio fica aqui os links para os documentos juntos

doc 01


doc 02 

doc 03


doc 04


doc 05 pag 1 ; pag 2  ; pag 3


29 de novembro de 2013

6ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"


Na crónica anterior publiquei a nota de culpa e o relatório a ela associado que, no dizer do relator continham a acusação que me é feita e respectiva fundamentação.
A acusação efectivamente lá estava. Fundamentação é que nem vê-la!!!
Tive que explicar aos doutos senhores/as da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS que num processo disciplinar o ónus da prova recai sobre quem acusa e não sobre o arguido .
Depois convém que quem acusa saiba o que está a fazer e cumpra as regras estabelecidas para a elaboração de um processo disciplinar... pois se não o fizer poderá ver o processo anulado!
Sem mais comentários... deixo-vos a minha defesa  









5ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"

Depois das anteriores crónicas onde ficou demonstrado uma serie de erros formais e a aberração da acusação que me é feita com o objectivo de me expulsar do Partido Socialista, Emanuel Teixeira decidiu ignorar tudo o que aleguei no meu exercício de audição prévia e continuou com o processo, com vista à minha expulsão.
Aqui fica a nota de culpa e o relatório com que sustenta essa nota culpa.
Pelo menos podiam esforçarem-se um bocadinho mais pois este relatório em que se sustenta a acusação que me fazem é de uma pobreza mais que franciscana e não sustenta minimamente qualquer acusação contra mim feita. 














27 de novembro de 2013

as provas que foram carreadas para o processo disciplinar em que é pedida a minha expulsão

as setas ▬► assinalam os posts publicados fora do período eleitoral e após o acto eleitoral
as setas ▬►assinalam os post publicados antes do fim da campanha eleitoral 




De que é que sou acusada?... "de ter apoiado explicitamente as listas de Guilherme Pinto por Matosinhos"! 

Então analisem a prova carreada para o processo... e digam lá se isto é ou não é um processo intenções em que sou acusada por delito de opinião?



▬►
http://o-pior-e-o-melhor-de-matosinhos.blogspot.pt/2013/02/nao-gosto-de-politicos-hipocritas.html

10 de Fevereiro

▬►
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=4660410797688&set=a.1043875746572.2007107.1515983481&type=1&theater

1 de Junho

▬►
http://o-pior-e-o-melhor-de-matosinhos.blogspot.pt/2013/09/se-idiotice-pagasse-imposto-as.html

20 de Setembro

▬►
http://o-pior-e-o-melhor-de-matosinhos.blogspot.pt/2013/09/aviso.html

22 de Setembro

▬►
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200342903084621&set=a.2220043590033.2094803.1515983481&type=1

23 de Setembro

▬►
https://www.facebook.com/otiliagradim/posts/10200340576946469

23 de Setembro

▬►
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200374674918897&set=a.1043875746572.2007107.1515983481&type=3&theater

29 de Setembro

▬►
https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10200374669198754&set=a.1043875746572.2007107.1515983481&type=3&theater

29 de Setembro

​▬►
http://o-pior-e-o-melhor-de-matosinhos.blogspot.pt/2013/09/estes-sao-os-rostos-dos-grandes.html

29 de Setembro

▬►
https://www.facebook.com/otiliagradim/posts/10200372410142279

29 de Setembro às 18:33

▬►
https://www.facebook.com/otiliagradim/posts/10200374682119077

29 de Setembro às 23:19

25 de novembro de 2013

4ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"







Num processo disciplinar eivado de erros processuais a apresentação da minha defesa inicial, sob a figura processual audição prévia, não foi mais que o queimar de uma etapa… aqui fica o texto apresentado por mim





24 de novembro de 2013

Extracto da entrevista de Sócrates ao JN

...
- Também está a pensar no que aconteceu em Matosinhos...
- Em Matosinhos foi mais grave. É para mim incompreensível que um presidente esteja em funções, que o partido ache que ele fez um grande trabalho - que eu também posso testemunhar, particularmente na educação -, que a população esteja satisfeita com ele e que o partido diga: 'agora vais-te embora e metemos aqui outro'. Isso não se faz e o partido pagou o preço.


toda a entrevista aqui 

22 de novembro de 2013

3ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"

Nas crónicas anteriores ficou relatada a forma como se iniciou o meu processo disciplinar e os primeiros obstáculos com que me deparei para organizar a minha defesa.
Mas como nunca fui de desistir às primeiras dificuldades que me surjam, não me deixei intimidar pelo "consabido" do despacho do Sr. Presidente da Comissão Distrital de Jurisdição da FDP que me negou as fotocópias dos "print secreens" e, por me sentir coarctada nos meus direitos, dele decidi apresentar recurso à Comissão Nacional de Jurisdição do PS. Desse recurso aqui deixo pública nota.
Cumprindo com o Regulamento Processual e Disciplinar do PS, a 07 de Novembro fiz entrega desse recurso na Comissão Distrital de Jurisdição da FDP mas, para meu espanto, no passado dias 12 recebi a resposta a esse recurso, resposta essa que me elucidou completamente sobre a natureza do autor dessa resposta.
Vejam por vós próprios os fundados motivos do meu espanto:
- O me meu recurso foi dirigido à Comissão Nacional de Jurisdição
- A entidade recorrida nesse recurso era o Presidente da Comissão Distrital de Jurisdição da FDP.
- Quem decidiu sobre o recurso que apresentei e me respondeu foi a entidade recorrida (chama-se a isto decidir em causa própria)
Não, como podem constatar ao ler o despacho do Presidente da Comissão Distrital de Jurisdição da FDP, do qual aqui deixo pública nota, não estou a exagerar!!... Provavelmente, numa tentativa de evitar que a Comissão Nacional de Jurisdição tomasse conhecimento dos disparates que anda a fazer, este senhor decidiu usurpar as competências da Comissão Nacional de Jurisdição e, para esconder com uma mão as borradas que com a outra anda a fazer decidiu ele próprio dar despacho sobre o meu recurso, encerrando assim (isso julga ele) um assunto em que ele tinha claramente cometido uma argolada
E assim se vai compondo o retrato da idoneidade e do carácter da personagem que me calhou como Relator do meu Processo Disciplinar


o recurso 



a "douta" decisão

21 de novembro de 2013

ai, ai... estes doutores!!...



Como eu não sou pessoa de andar para aí a pedir coisas “com sabidas” e muito menos de andar para ai a pedir coisas “com ignorantes”... correndo o risco de ser processada pelo “crime de exercício ilegal de profissão” (neste caso o de professora de português) …  sinto-me tentada a convidar o Sr Doutor a conjugar o verbo prever como TPC

 “… apenas PREVÊM a consulta… “Isto é  coisa que se escreva?

Quanto mais lido com os “com sabidos” melhor me dou com “com ignorantes”  

20 de novembro de 2013

2ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"

Como escrevi na 1ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções" o que eu encontrei, quando consultei o processo disciplinar que me visava, não foi um processo organizado… nem despacho, nem documentos numerados e rubricados nem coisa nenhuma. Só um grupo de folhas impressas com “print screens” do meu blogue e de posts do meu mural do fecebook onde, maioritariamente, estão os comentários dos meus “amigos facebookianos”. Mas sem qualquer organização e onde se podem ver posts que só por completa idiotice é que se juntaria a um processo onde se pretenda provar que eu participei nas listas ou apoiei explicitamente a candidatura de Guilherme Pinto pois foram publicados após o acto eleitoral se ter realizado.
Para poder estudar o que ali estava escrito e conferir com o que de facto estava publicado pedi fotocópias. A funcionária contactou o Dr. Emanuel Teixeira que lhe terá dito não estar previsto dar fotocopias do processo… na altura não tinha comigo o regulamento pelo que lhes pedi o email para depois lhes enviar o tal pedido das fotocópias, evocando o regulamento e fundamentando o pedido. 

A resposta foi hilariante como podem ver no email com que me responderam e que demonstra claramente que o presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP não conhece nem quer conhecer o Regulamento Processual e Disciplinar do PS. Não conhece nem quer conhecer pois parece que no meu caso esse regulamento só lhe vem atrapalhar o "negócio"


19 de novembro de 2013

1ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"

Analisada esta carta 
Aparece uma primeira curiosidade que é facto de quatro membros da Comissão Distrital de Jurisdição da FDP/PS assinarem uma carta onde sou tratada por "o" Camarada... não é que a mim me chateie ser tratada no masculino mas convenhamos que num partido onde a paridade é estatutária e a luta pela igualdade de género é uma bandeira, e onde inclusivamente há um departamento de Mulheres… tal tipo de tratamento não é politicamente correcto nem aceitável e diz muito sobre a formação politica de quem assina


Aparece uma segunda curiosidade que é o facto de esta carta ser assinada por quatro membros Comissão Distrital de Jurisdição da FDP/PS e não pelo relator do processo disciplinar que me foi instaurado.

Mas…. notificada que fui por esta carta dirigi-me à Sede Distrital do PS Porto para consulta do Processo onde de imediato me foi permitido a sua consulta. Não contive o riso (este meu feitio ainda me vai matar). Eu ia preparada para encontrar um processo… mas o que eu encontrei não foi um processo, foi um conjunto de fotocópias [não sei quantos porque nem numerados estavam], que mais não eram que “print screens” do meu blogue e do meu mural do facebook, presas com um clip a uma carta onde se pode ler:
“Na qualidade de Presidente da Comissão Politica Concelhia de Matosinhos do Partido Socialista nos termos dos Artigos nº1 f) e nº3 e 50 nº1 e 2 alínea g) dos Estatutos do PS, solicito a V. Ex.as para agir em conformidade

·  Militante 122446, Maria Otília Gradim Rocha Reisinho, remeto ficheiro com tudo o que esta militante escreveu em redes sociais sobre as eleições em Matosinhos e sobre o candidato do PS“
Ou seja, e o texto da participação é muito claro nisso, a base para o meu pedido de expulsão não se prende com o apoio que possa ter dado à campanha de Guilherme Pinto mas com o que disse sobre as eleições em Matosinhos e com o que disse sobre o candidato do PS.
Não podendo provar que eu participei nas listas de Guilherme Pinto porque delas não consto, nem que integrei alguma comissão de honra ou de apoio a qualquer candidatura e não podendo provar o meu envolvimento activo na campanha do Guilherme Pinto, até porque, não participei em nenhuma acção de campanha, espanta-me que venham pedir a minha expulsão com base no que alegadamente dizem que eu disse sobre as eleições em Matosinhos e do que disse sobre o candidato do PS.


Querem ver que o PS se propõe a expulsar militantes com base em “delitos de opinião” ou com base num “processo de intenções”?

Nota: é para mim um privilégio que este PS Matosinhos me queira expulsar. Não é por nada, mas este PS Matosinhos é tudo menos socialista e democrata!!

5 de novembro de 2013

aviso!!!


Hoje fui notificada de que me foi movido um processo disciplinar com vista à minha expulsão do Partido Socialista. Dado que esse processo se encontra ainda coberto por sigilo, vou aguardar que termine a sua fase de instrução para depois dele dar nota publica.



24 de outubro de 2013

a derrota a que António Parada conduziu o Partido Socialista em Matosinhos podia ser pior?


Analise dos resultados eleitorais para a eleição dos 4 Presidentes de junta das uniões de freguesias

Na minha opinião
, a derrota a que o António Parada conduziu o PS em Matosinhos não podia ser pior!!! Perdeu tudo o que havia para perder depois de ter assaltado a CPC do PS com um sindicato de votos e de se ter imposto como o candidato do Partido Socialista em Matosinhos.

Nem todos os membros da Comissão Politica Concelhia de Matosinhos são responsáveis pela derrota do PS. Muitos membros da CPC se opuseram com veemência a que o António Parada fosse indicado como o candidato socialista. Houve até quem tenha recorrido ao jurisdicional pedindo a impugnação da deliberação da CPC que o indicou o candidato [darei conhecimento do texto noutro post]

Mas analisemos o que o PS perdeu em Matosinhos:

- perdeu a Presidência da Câmara Municipal de Matosinhos
- perdeu a Presidência da Assembleia Municipal
- perdeu a Presidência de todas as juntas de freguesia








Também se pode dizer de outro modo ou seja Guilherme Pinto ganhou tudo o que havia para ganhar 
- foi eleito Presidente da Câmara da Municipal da Matosinhos com maioria absoluta
- ganhou a Presidencia da Assembleia Municipal
- ganhou todas as Presidências de Junta das quais 3 ganhou com maioria absoluta



23 de outubro de 2013

a colossal derrota a que António Parada conduziu o Partido Socialista em Matosinhos


I - Analise dos resultados eleitorais para a eleição do Presidente de Câmara:



1º - Guilherme Pinto é eleito Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos com maioria absoluta.
2º - o PS em Matosinhos [2013] liderado por António Parada perde 18 700 votos em relação ao PS Matosinhos [2009] liderado por Guilherme Pinto
3º -  o PS Matosinhos liderado por António Parada consegue ter menos 8 454 votos que a Associação Narciso Miranda em 2009
4º - o PS Matosinhos consegue menos 1 mandato na vereação do que a Associação Narciso Miranda consegui em 2009
conclusão:
o PS liderado localmente por António Parada tem menos capacidade de influencia e menor credibilidade que a Associação Narciso Miranda Matosinhos Sempre teve em 2009 


II - Analise dos resultados eleitorais para a eleição do Presidente de Câmara por freguesia:






1º Guilherme Pinto ganha em todas as freguesias 
2º   em 2013 o PS Matosinhos liderado por António Parada consegue ter uma votação inferior à Associação Narciso Miranda em 2009  em todas as freguesias

só a segurança que dá ter um sindicato de votos pode levar a uma afirmação destas


depois de ter lido no Jornal de Matosinhos de 4 de Outubro que António Parada será o candidato do PS Matosinhos em 2017, e de o ter ouvido queixar-se de ter sido vitima de "bullying por parte da comunicação social", entendo que chegou a altura de fazer uma analise mais detalhada sobre a derrota do PS Matosinhos nas ultimas autárquicas