6 de novembro de 2011

RECUSE A VIOLENCIA

8 comentários:

Pedro Casqueiro disse...

Olá,

É sempre um prazer ler a sua actividade no Blog.
Enquanto descontente com a situação
política actual do País, é imperioso existir uma alternativa em cima da mesa para o que se passa
actualmente.
É curioso como em tão pouco tempo,
salta à vista de toda a gente, que
estes governantes, não têm uma ideia, um rumo para Portugal, sem ser vender ao desbarato o que ainda
está nas mãos do Estado, e ao que parece de forma "selectiva".
Precisa-se de gente que acredite numa causa de forma genúina, que tenha ideologia e não apenas posições de circunstância.
O PS creio ter feito um grande favor ao PSD/CDS e prestado um mau
Serviço ao País, enquanto partido
de alternativa ao poder, com a abstenção na votação do Orçamento
ruinoso e que passa novamente a factura para pagar aos mesmos de sempre.
Talvez finalmente agora, com o SAQUE que está a ser feito ao cidadão comum, algumas alminhas despertem para o que está a acontecer.

Um abraço,
Pedro Casqueiro

Carlos II disse...

A alternativa é pagar os nossos compromissos com as instâncias internacionais, que aliás, aceitámos fazer parte.
Não é isso que dizem as sondagens, mas mesmo que não acreditemos nelas, o tom geral é de um enorme desprezo pelos políticos.
Também eu tive um sonho, a minha utopia, que tem sido desfeita pela crueza das circunstâncias. Cá está a circunstância.
O PS ao subscrever o memorando e resolver abster-se no OE - o que não quer dizer que esteja de acordo com ele - pois ainda é possível de ser alterado - pelo contrário, está a prestar um bom serviço ao país.
Numa situação destas a que o país se encontra não sei a quem é que os governantes devem recorrer. Aos bancos? Já não dá! Claro que tem que ser ao Zé. E quem gosta que lhe mexam no bolso? Podia ser assim ou mais assado, lá está o Parlamento para se discutir isso.
O que está acontecer são coisas muito importantes na Europa e no mundo, que se calhar o caro amigo ainda não deu conta.
É igualmente um prazer visitar este blog, apesar das discordâncias, próprias de pessoas livres e que sabem pensar.

Otília Gradim disse...

Pedro.

é sempre um prazer encontrar-te por aqui.

Abraço

Otília Gradim disse...

Carlos,

se estivéssemos sempre de acordo a vida seria monótona.

Abraço

Carlos II disse...

Então não é que gostei da entrevista do A.J. Seguro na TVI esta noite!!!
Digo mais, com esta posição de responsabilidade e compreensão sobre o momento que o país atravessa, e ao contrário dos receios de suicidio do PS como dizem os Socráticos empertigados da velha escola, ele criou expectativas interessantes nos portugueses (digo bem, nos portugueses).

Otília Gradim disse...

Carlos,

não posso comentar porque não ouvi. Seguro é daqueles políticos que só aguento em doses muito pequeninas. Tive a oportunidade de dizer o que penso e de lhe dizer que o seu discurso me deixa assustada... já que me parece que ele parece assumir que a democracia pode ficar suspensa até haver dinheiro. Enfim...

Não há duvidas que te identificas tu mais com este novo ciclo do que eu.

Sobre o efeito nos portugueses falamos mais tarde pois não subscrevo a tua opinião.

Carlos II disse...

Então, afinal, ninguém comenta a questão proposta pela autora deste post? Então respondo eu.
Assim como as criancinhas que nós amamos, precisarem por vezes de umas bofetadas, os adultos, às vezes também o merecem.
Umas bofetadas para as declarações do Otelo Saraiva de Carvalho.
25 de Abril? Nem sempre!

Beij.

Otília Gradim disse...

Carlos,

não sou pacifista mas sou contra todo o tipo de violencia.
Não creio que para educar um filho seja preciso bater-lhe.
"Karago" ultimamente estás sempre em discordância ;))

bjinhos