13 de agosto de 2011

É O POVO INFALÍVEL?

de Bertolt Brecht


1
O meu mestre,
O grande, amável,
Foi fuzilado, condenado por um tribunal do povo.
Como espião. O seu nome é maldito.
Os seus livros foram destruídos. A conversa sobre ele
É suspeita e cala-se.
Admitindo que ele está inocente?

2
Os filhos do povo acharam-no culpado.
Os colcozes e as fábricas dos operários
As instituições mais heróicas do mundo
Viram nele um inimigo.
Admitindo que ele está inocente?  

3
O povo tem muitos inimigos.
Nos mais altos postos
Há inimigos. Nos mais úteis laboratórios
Há inimigos. Eles constroem
Canais e barragens em beneficio de Continentes inteiros e os canais
Enchem-se de lama e as barragens
Desmoronam-se. O director tem que ser fuzilado.
Admitindo que ele está inocente?

4
O inimigo anda disfarçado.
Puxa para os olhos o boné de operário. Os seus amigos
Conhecem-no como operário zeloso. A sua mulher
Mostra as solas esburacadas
Que ele gastou ao serviço do povo.
E no entanto ele é um inimigo. O meu mestre era um desses?
Admitindo que ele está inocente?

5
Falr dos inimigos que podem sentar-se nos tribunais do povo
É perigoso, pois os tribunais precisam de prestígio.
Exigir papéis, em que o preto no branco estejam provas de culpa
É insensato, pois não tem que haver papéis desses.
Os criminosos têm nas mãos provas da sua inocência.
Os inocentes muitas vezes não têm provas nenhumas.
É então melhor estar calado?
Admitindo que ele está inocente?

6
O que 5000 construíram pode um só destruí-lo.
Entre 50 que são condenados
Pode estar um inocente.
Admitindo que ele está inocente?

7
Admitindo que ele está inocente.
Como irá ele para a morte?

Sem comentários: