30 de junho de 2011

III


Quando em silencio passas entre as folhas,
uma ave renasce da sua morte
e agita as asas de repente;
tremem maduras todas as espigas
como se o próprio dia as inclinasse,
e gravemente, comedidas,
para as fontes a beber-te a face.

Eugénio de Andrade
Poesia e Prosa
[1940-1979]

2 comentários:

guimaraes disse...

Isto é óptimo Otília, faz tempo que era necesário resolver esta situação.
Resta-nos esperar por outra promessa antiga, quartos de banho junto à praia, já há muito prometidos.
É que agora com a vinda dos navios cruzeiros, os pobres dos turistas andam a fazer xi-xi, por entre as arvores do Senhor do Padrão.
Sabes que ontem, (quarta-Feira),entupiram as sanitas do café-bar entre Tomaz Ribeiro e Av. República?.Enfim!!!

bjs

José Guimarães
Jo

Otília Gradim disse...

José,

é tema que não conheço... penso que não será fácil construir o que quer que seja naquela área.

Bjs