20 de novembro de 2010

DOIS APONTAMENTOS DO LIVRO "O LÍDER SEDUTOR"

do livro de CLARA PRACANA
"O LÍDER SEDUTOR"

“Em toda a parte as multidões são femininas (…)
Uma vez que as multidões apenas conhecem sentimentos simples e extremos, recusam ou aceitam em bloco as opiniões, crenças ou ideias que lhe são sugeridas e consideram-nas como verdades absolutas ou como erros não menos absolutos. Isto acontece sempre com crenças determinadas pela sugestão e não pelo raciocínio (…).
O autoritarismo e a intolerância constituem, para as multidões, sentimentos muito claros que elas suportam tão facilmente como põem em prática. Respeitam a força e a bondade impressiona-as pouco, pois consideram-na como uma espécie de fraqueza. As suas simpatias nunca têm como objecto as personalidades brandas, mas os tiranos que as dominam.
(Le Bon, 1895/n.d pp.29, 36 e 37)”


“As pessoas não precisam de acreditar em todas estas mentiras, mas têm de proceder como se acreditassem,ou pelo menos tolera-las em silêncio, ou dar-se bem com quem trabalha com base nelas. Por essa razão, no entanto, devem viver dentro da mentira Não precisam de aceitar a mentira. Basta-lhes ter aceite viver na mentira. Desta forma, os indivíduos ratificam o sistema, preenchem o sistema, fazem o sistema, são o sistema.
(Havel 1991.p.36, itálico no original)”
.

4 comentários:

Carlos II disse...

"Desta forma, os individuos ratificam o sistema, preenchem o sistema, são o sistema".

Claro!
Apesar da nossa boa vontade em denunciar o estado das coisas e por dentro, tentar modificar algo, o sistema convive bem com isso, porque o tempo é deles é dos medíocres.

beij

Otília Gradim disse...

Carlos,

Depois da experiência na campanha do Fernando Nobre deu para perceber que os dizem correr por fora são os que mais estão comprometidos com o sistema... os danos nos movimentos cívicos vão ser imensos.

Bjs

Carlos II disse...

Esses são os submarinos!Não conseguiram espaço no sistema central e atracaram na periferia.
Não deixam de ser perigosos.

Otília Gradim disse...

Carlos,

São mesmo perigosos e pior do que isso não são de confiança.
O problema não está nos partidos mas na falta de formação ética de todo um povo.

bjinhos