22 de agosto de 2010

APOIO RENATO SAMPAIO À FEDERAÇÃO DISTRITAL DO PS PORTO

8 comentários:

guimaraes disse...

Ao apoiar Fernando Nobre corre o risco fe ser expulsa do PS, afinal que socialista é a senhora recem-chegada ao partido?

J.G.

Otília Gradim disse...

Caro Guimarães,

Estive no PC e demiti-me!
[não precisei da vaga dos renovadores]

Estive no BE e demiti-me!
[nunca fui maoísta, estalinista ou contra a liberdade individual]

Entrei no PS e se for expulsa... será algo de novo no meu currículo ;))* pelo que não temo.

Não tenho vocação para “carneiro” e muito menos para fazer parte de “rebanhos guiados por um pastor” por isso posso estar errada no que defendo mas só o defendo por ser aquilo em que acredito.

Um querido amigo dizia: "o meu comité central sou eu"

Na verdade não corro o risco de ser expulsa… as eleições presidenciais são eleições de iniciativa pessoal e não partidárias. É por esse motivo que cada candidato tem que apresentar no mínimo 5 mil assinaturas proponentes ;))*

Saudações

guimaraes disse...

Então os PSs que se cuidem!!Uma "free-lancer",desta tempera,vai sacudir o "rebanho".
Quanto a apoiar o Fernando Nobre , faz bem.Cavaco é o que toda a gente conhece,"precisamos de"; "é preciso que",só para a foto de família ao lado do Papa.
Do Poeta Alegre, já falei demais dele,mas a todo o custo quer ser mais qualquer coisa,talvez mais uma reformita,a juntar a tantas,
mas vamos estar atentos ao que dirá de Sócrates.
Fernando Nobre, talvez seja o que está mais púdico,nesta sujeira da política, pelo menos é um humanista, o que é muito importante,falei com ele pessoalmente, à cerca de um mês e convenceu-me, da forma como se apresentou para se candidatar, falta uma organização concelhia, (Matosinhos), em Gaia está já avançada.

Cumprimentos

J.G.

Otília Gradim disse...

Caro Guimarães,

Não penso que o PS tenha que se preocupar muito comigo… afinal estou na política como estou na vida, de forma vertical. Não faço parte de facções, não alinho em desonestidade política ou intelectual para me promover, não tenho por norma falar nas costas das pessoas e muito menos trazer para o exterior as questões que devem ser tratados nos locais certos. Gosto de política e de discussão política, mas não estou na política para ter emprego ou protagonismo pessoal… afinal também não preciso.
Sobre o apoiar Fernando Nobre, é uma questão de opção política e cívica. Não quero o Alegre a presidente da republica… o Cavaco nunca poderia ter o meu voto!
Fernando Nobre tem um discurso de humanista, fez carreira a servir os mais necessitados, tem uma visão do mundo e conhece Portugal. O seu discurso não é o discurso entediante dos políticos que essencialmente falam muito mas dizem muito pouco… e normalmente não sabem o que dizem e muito menos dizem o que sabem.
A estrutura de Matosinhos já existe mas com muitas limitações… penso que ouvirá falar dela. De facto não é fácil levantar uma estrutura do nada e com pessoas com tempo limitado… eu mesmo ponderei algum tempo depois de ter recebido o primeiro convite, mas depois de ter ouvido Fernando Nobre, não tenho alternativa senão votar nele e fazer a sua campanha…
Dos actuais candidatos há mais algum com um passado tão limpo? Se há eu não conheço.

Saudações

Carlos II disse...

Olá!
Desculpa meter a minha colherada, nesta saborosa ementa.

O regime não gosta deste tipo de pessoas (Fernando Nobre). O que "eles" gostam é de um mono com retrato para pendurar no museu da república.

Mas isto não fica assim.

Como o futuro é a criação de uma Federação de Estados Europeus, pronúncio de um governo mundial, a tal globalização. Os Estados tendem praticamente a desaparecer, tal e qual como o concebemos desde a Revolução Francesa. A democracia representativa que foi herdada do sec. XVIII não terá mais sentido e o país passará a ser uma espécie de Andorra.

Por enquanto continuaremos entretidos com estas minudências e tricas eleitorais.

Com a revolução informática, electrónica, cibernética, robótica, não estaremos no alvorecer num mundo novo?

Resta saber se essa globalização terá o predomínio do económico sobre o político e social. Se for, estamos desgraçados.

Um beijinho

Otília Gradim disse...

Carlos,

Este blogue é como se fosse teu!

Não,não quero um rei!!... já tenho um reisinho ;))

Em coerência devias votar Nobre... até teres um rei ;))

beijos

Carlos II disse...

Otilia;

Fiz um elogio a Fernando Nobre, mas, sei que vai ser absorvido pelo sistema - partidos politicos, os média, e pela cultura do povo que só vota naqueles que têm possibilidades de vencer.

Não voto porque estou fora deste actual sistema que me agonia. Um sistema em que as pessoas vão para a política, não por motivos ideológicos, mas para se promoverem socialmente. São cinzentões, sem ideias, que fogem do debate como diabo da cruz.
Quando são afrontados, ameaçam com os tribunais. Que chique! No meu tempo de mais jovem,que lutávamos com bases ideológicas, por ideais, num extremo, queimava-se as sedes dos outros partidos, boicotava-se os comícios e na rua havia "porrada". O regime democrático consolidou-se. Mas os partidos - vê-se melhor a nível local, foram "assaltados" por gente sem qualidade, embora doutores, cuja ideologia é o dinheiro e a vaidade.

Claro que podia votar Fernando Nobre.

Otília Gradim disse...

Carlos,

É importante votar para mudar alguma coisa neste país ;)

Não leves a sério palavras tolas. A ignorância é sempre arrogante!

beijinhos