1 de maio de 2010

COURRIER INTERNACIONAL - MAIO

.

.

"Na Irlanda ou nos Estados Unidos, para só citar dois países, repetiu-se o mesmo padrão: se a paróquia queria investigar, o bispo tentava abafar o caso. Se era o bispo a pedir a intervenção do Vaticano, era na Cúria romana quee o assunto morria." 

Editorial do COURRIER Internacional (de Maio) 

Assinado por Rui Cardoso

2 comentários:

Carlos II disse...

Quando uma doutrina quer seja religiosa ou política para a divulgar necessita de criar um instituição, aparece o corporativismo. Depois da divulgação e da defesa dos valores doutrinarios há a necessidade de defender a credibilidade da instituição.

O Padre da Lixa aí em baixo anda todo lixado. Ele que deixe pagar as cotas do "clube" ou ainda não percebeu que se pode defender o cristianismo sem pertencer às capelinhas.

Não me parece que seja coerente não desejar a vinda do Papa a Portugal e insurgirmos que o Dalai Lama não seja recebido oficialmente pelo Estado português.
Eu sei que vai visitar o Porto. Vai ser o encontro de dois Papas. O do Vaticano com o "Papa" da cidade. Resta saber qual é a mulher que o Pinto da Costa vai apresentar ao velhote dos católicos.

Bom fim-de-semana

Otília Gradim disse...

Carlos,

Há quem não seja capaz de deixar de pagar as quotas ;))

A mulher do papa é da idade da filha... uma coisa é certa ele não é hipócrita

http://o-pior-e-o-melhor-de-matosinhos.blogspot.com/search/label/QUANDO%20A%20ESMOLA%20%C3%89%20GRANDE

Beijos