18 de fevereiro de 2010

O CAMINHO PARA O PARAÍSO

.
“O suicídio não é cometido por desespero; é um acto de esperança do qual decorre uma elevação no estatuto suicida. Alguns bombistas suicidas sentem-se em conexão directa com o omnipotente Alá” - Prefácio

"Talvez tenha sido a sua última hipótese de fuga antes que o marido a maltratasse, dado que aparentemente estava farto dela, ou talvez houvesse outro homem na sua vida, ou existiam apenas rumores nesse sentido. Foi uma saída honrosa, impedindo que a humilhação se abatesse sobre si e sobre a sua família.
Recordo-me de algo que ouvi nesse contexto, «Não era uma shahida, era uma sharmouta» (ou seja não foi uma mulher que morreu como mártir em nome de Alá, era apenas uma prostituta), e ouvi-o da boca da boca de Murad, um jornalista árabe que me acompanhou várias vezes quando entrevistei indivíduos fora das prisões israelitas. Ele acrescentou: «foi melhor para ela morrer do que ser assassinada, e até levou dois soldados [israelitas] consigo, pelo que todos os seus pecados foram esquecidos." - pag. 16      

2 comentários:

Jose Castro disse...

É caso para dizer, mata-te!

Otília Gradim disse...

O objectivo dos bombistas suicidas é o de matar o maior número possível de vítimas inocentes… mulheres, homens e crianças

Assim não me parece muito ético brincar com este assunto!

Cometo sempre o mesmo erro ;))* falar de ética com o José Castro... afinal o JC já provou que não sabe mesmo o que isso significa... ÉTICA?...