9 de agosto de 2009

NARCISO MIRANDA "NM - Nunca Mais!" E AS SUAS FAVAS CONTADAS... MAL, MUITO MAL CONTADAS!


A propósito do número de cidadãos proponentes, que a candidatura independente de Narciso Miranda necessita para se poder apresentar a votos no próximo dia 11 de Outubro, o JN publicou há dias as seguintes informações:

“O grupo Narciso Miranda "Matosinhos Sempre Jovem" recolheu num só dia 7894 assinaturas para a formalização da candidatura independente do ex-presidente da Câmara.”

“No caso de Matosinhos, para formalizar candidaturas independentes à Câmara, à Assembleia Municipal e às juntas de freguesia é necessário reunir o apoio expresso de 12369 cidadãos.”

A ser verdade a afirmação “recolheu num só dia 7894 assinaturas” a putativa candidatura independente deverá ter estado a recolher assinaturas à porta do Estádio do Dragão em dia de jogo com o Benfica, tal seria a multidão exigível para num dia se recolher 7894 assinaturas… já que em Matosinhos tal não me parece possível, nem com as banquinhas montadas em todas as freguesias essa proeza era exequível… (note-se que seria necessário recolher uma média de 5,5 assinaturas por minuto para em 24 horas se poder totalizar essa quantia!!!)

Assim, e segundo o mesmo artigo, a afirmação “é necessário reunir o apoio expresso de 12369 cidadãos” levaram-me a acreditar que bastariam dois dias de recolha de assinaturas para o putativo candidato independente ultrapassar folgadamente o número de cidadãos proponentes que dizia precisar… apesar de tal número estar tremendamente inflacionado, pois a candidatura de Narciso Miranda não precisa de 12 369 cidadãos proponentes!
De facto a candidatura não são precisa 12369 cidadãos proponentes para poder avançar (mas gosto do rigor dos dois últimos dígitos… pelo menos faz humor brejeiro) e, para o provar, mais à frente apresentarei os números exactos de cidadãos proponentes necessários para o efeito.

Li também no DN um artigo que se me afigura um último e desesperado apelo da putativa candidatura independente a um derradeiro apoio da direita para poder conseguir as assinaturas de que precisa, apelo esse que se me afigura bastante convincente, já que essa direita precisa da candidatura do “NM - Nunca Mais!” para, com a divisão do eleitorado que tradicionalmente vota PS em Matosinhos, poder ter alguma hipótese de vir a conquistar a câmara.

“A candidatura independente de Narciso Miranda ainda não garantiu assinaturas necessárias que lhe permitam concorrer a todos órgãos autárquicos do concelho de Matosinhos. Hoje e amanhã, será feito um "derradeiro esforço" na recolha de mais proponentes.”

“Na apresentação da candidatura, em Maio, Narciso prometia listas na câmara, Assembleia Municipal e em todas as juntas de freguesia. No entanto, o processo, admite o candidato, tem sido mais complexo do que o esperado. No caso concreto de Matosinhos, para formalizar candidaturas independentes a todos os órgãos autárquicos, são necessárias as assinaturas de, pelo menos, 12 369 proponentes, identificados com os números do bilhete de identidade e eleitor.”

“A campanha será financiada por donativos individuais, "só através de cheque", que serão depositados numa conta bancária que Narciso anunciará, segunda-feira, durante a conferência de imprensa.”

Não há dúvida que a putativa candidatura independente tudo faz para transmitir aos matosinhenses que protagoniza uma candidatura ganhadora, mas isso só não chega e são precisas também as assinaturas. Assim, com este artigo do DN, fragiliza essa estratégia ao dar este sinal de fraqueza, na desesperada tentativa de conseguir mais algumas assinaturas entre o eleitorado da direita!

Mas passemos à análise dos números plasmados nas afirmações veiculadas pelo JN, “é necessário reunir o apoio expresso de 12369 cidadãos” e pelo DN, “pelo menos, 12 369 proponentes”, números esses que excedem em muito o quantitativo de proponentes efectivamente necessários… ;))

Senão vejamos o que diz a Lei Orgânica nº 1/2001 - de 14 Agosto:

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIIDADÃOS ELEIITORES

No seu Artigo 19º, esta lei, ao abordar as Candidaturas de grupos de cidadãos, especifica que “As listas de candidatos a cada órgão são propostas pelo número de cidadãos eleitores resultante da utilização da fórmula
__n__
(3 x m)
em que n é o número de eleitores da autarquia e m o número de membros da câmara municipal ou de membros da assembleia de freguesia, conforme a candidatura se destine aos órgãos do município ou da freguesia”.

Estabelece ainda esse Artigo 19º que para as candidaturas às Assembleias de Freguesia há um número mínimo de 50 cidadãos proponentes e um número máximo de 2000, valores esses que sobem para 250 (valor mínimo) e 4000 (valor máximo) no caso das candidaturas aos Órgãos Municipais (Câmara e Assembleia Municipal)
Assim, de acordo com a referida lei, façamos as contas exactas para determinar o nº de cidadãos proponentes necessários para que a candidatura independente de Narciso Miranda possa ser aceite pelo Tribunal (concorrendo a todos os órgãos autárquicos do Concelho)

No caso de a candidatura aos órgãos autárquicos municipais (Câmara Municipal e Assembleia Municipal), como o n.º de cidadãos eleitores no Concelho totaliza 143 330, dividindo este número por 33 (o triplo do número dos membros da Câmara Municipal que são 11). Obtém-se o resultado de 4343. Como este valor ultrapassa o valor máximo estabelecido, a candidatura só tem que apresentar 4000 cidadãos proponentes que subscrevam separadamente as candidaturas à Câmara Municipal e à Assembleia Municipal de Matosinhos.
No caso das Assembleias de Freguesia, como Matosinhos tem 10 freguesias com diferentes números de eleitores e diferentes números de membros nas respectivas Assembleias de Freguesia, obtemos os seguintes valores:

Custóias
13 328 Eleitores
3 x 13 membros da Assembleia de Freguesia = 39
13 328 / 39 = 342 cidadãos proponentes necessários

Guifões
8 754 Eleitores - 13 membros da Assembleia de Freguesia = 39
8 754 / 39 = 224 Nº cidadãos proponentes necessários

Lavra
8 457 Eleitores - (3 x 13 membros do órgão) = 39
8 457 / 39 = 217 Nº cidadãos proponentes necessários

Leça do Balio
12 981 Eleitores - (3 x 13 membros do órgão) = 39
12 981 / 39 = 333 Nº cidadãos proponentes necessários

Leça da Palmeira
15 039 Eleitores - (3 x 13 membros do órgão) = 39
15 039 / 39 = 385 Nº cidadãos proponentes necessários

Matosinhos
27 013 Eleitores – (3 x 19 membros do órgão) = 57
27 013 / 57 = 474 Nº cidadãos proponentes necessários

Perafita
11 628 Eleitores - (3 x 13 membros do órgão) = 39
11 628 / 39 = 298 Nº cidadãos proponentes necessários

Santa Cruz do Bispo
4 990 Eleitores – (3 x 9 membros do órgão) = 27
4 990 / 27 = 185 Nº cidadãos proponentes necessários

São Mamede Infesta
19 580 Eleitores - (3 x 13 membros do órgão) = 39
19 580 / 39 = 502 Nº cidadãos proponentes necessários

Senhora da Hora
21 560 Eleitores – (3 x 19 membros do órgão) = 57
21 560 / 57 = 378 Nº cidadãos proponentes necessários

Estes são pois os números de cidadãos proponentes por freguesia que, de acordo com a Lei, terão que ser apresentados para que as listas sejam aceites pelo Tribunal a sufrágio e todos estes cidadãos proponentes das candidaturas às Assembleias de Freguesia podem ser também proponentes das candidaturas à Câmara e à Assembleia Municipal

Somados estes números obtém-se um total de 3 339 cidadãos proponentes que podem subscrever as três candidaturas a apresentar (Câmara Municipal de Matosinhos, Assembleia Municipal de Matosinhos e Assembleia de Freguesia da sua área de residência),, pelo que a eles será apenas necessário acrescentar mais 661 cidadãos proponentes das candidaturas à Câmara Municipal de Matosinhos, Assembleia Municipal de Matosinhos para que se obtenham os tais 4000 proponentes necessários para a totalidade das candidaturas a apresentar por Narciso Miranda

Reafirmo pois que os ditos artigos publicados pelos dois jornais fogem à verdade, de forma deliberada ou por pura ignorância, quando afirmam que a candidatura precisa de 12 369 cidadãos proponentes, pois nem que se somem os 4000 para a CMM com 4000 para AMM e com os 3 339 para as Assembleias de Freguesia (o que seria a maior idiotice de que tenho conhecimento) se obteriam os tais “12 369 cidadãos proponentes” e FICOU DEMONSTRADO QUE APENAS BASTARIAM 4000 CIDADÃOS PROPONENTES PARA SE PODEREM APRESENTAR CANDIDATURAS A TODOS OS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS DO CONCELHO
É minha convicção que Narciso Miranda, protagoniza uma candidatura a que tem tentado colar uma imagem de candidatura vitoriosa e putativamente independente mas, apesar disso, não se demite do PS como teve a dignidade de o fazer Helena Roseta, quando, em 2007, avançou com uma candidatura independente à Câmara Municipal de Lisboa.

Narciso Miranda, caso viesse a ser eleito, propõe-se a RETOMAR O RUMO, e anuncia que o seu grande objectivo será garantir uma gestão de rigor para o município. Podemos todos antever qual seria essa “gestão de rigor” pela amostra da barafunda que foi (e ainda continua a ser) a gestão do processo de recolha das assinaturas necessárias para sustentar a sua candidatura como independente

Gosto de política mas é por causas dos “Narcisos” deste mundo que espero, por muitos e bons anos, manter-me afastada da política partidária, sem deixar de contudo de intervir sempre que a tal for chamada por imperativos de consciência

3 comentários:

Américo Freitas disse...

Cara Otília. Como solucionar o velho dilema: se as pessoas boas e honestas se afastam da política, só lá ficam as más e as desonestas.
Deixamos a "governança" às Fátimas, aos Torres, aos Isaltinos e outros do mesmo jaez? Então só podemos queixar-nos de nós próprios. Somos culpados não só por omissão mas ainda como co-autores.

otília gradim disse...

Meu Amigo,

Não acho que na política só esteja gente má e depois os políticos são fruto da sociedade sem ética e sem nem valores em que se tem vivido e educado os nossos filhos… porque pensas que a escola e uma cambada de “professores” tanto falam de autoridade? Está errado haver autoridade? Não! O problema é que os 50 anos de fascismos nos deixaram marcas e estes políticos da democracia beneficiam de ter um povo inculto, impreparado, obediente e acrítico… e confundem autoridade com autoritarismo! não é verdade? Então como explicas que os professores só falem das suas condições de trabalho? A educação tem gasto uma boa maquia e os resultados melhoraram? E afinal a esquerda defende a classe dos professores ou defendem os alunos das classes sociais mais carenciadas? Estas crianças que outras oportunidades terão para que sejam limadas as diferenças sociais e culturais a que estão condenadas se a escola não for o garante de uma verdadeira igualdade de oportunidades para aprender??? (depois mando-te as virgulas) Os dirigentes políticos tem necessidade de rodear de gente fraca ou descobre-se a sua fragilidade… basta leres no “clube dos pensadores” o que o jj escreveu sobre o numero mínimo necessário de assinaturas para uma candidatura para perceberes que nem os que se afirmam de elite e criam clubes de pretensas elites… até o nome é patético para perceberes como é a realidade ;)) mas deixemo-nos destas conversas a esta hora…
Sabes que a minha primeira versão tinha 7 páginas?
Era para se chamar “as candidaturas autárquicas explicadas às crianças e ao povo” ;)))
Vou ver se nos próximos tempos não me distraiu com estas escritas 
O que te pareceu?
bjs

otília gradim disse...

Já te envio o testamento ;)) é só escrever mais umas linhinhas.

bjs