11 de julho de 2009

A CANDIDATURA DO BE-MATOSINHOS É O MESMO QUE DIZER "UMA MÃO CHEIA DE NADA OUTRA DE COISA NENHUMA"

.Cartaz de 2005
Proposta de cartaz para 2009 ;))
.
Levando em conta o que a imprensa local publicou sobre o lançamento da candidatura do Bloco de Esquerda em Matosinhos e as linhas gerais do seu programa… imediatamente me lembrei do titulo de um livro de Irene Lisboa “UMA MÃO CHEIA DE NADA E OUTRA DE COISA NENHUMA”
É fácil perceber que o BE em Matosinhos apresenta uma repetição do que em anteriores campanhas apresentou… talvez isso se fique a dever ao facto de não terem massa crítica capaz de inovarem ou então fica-se a dever ao facto de não serem pessoas inseridas na sociedade matosinhense… e que o que sabem sobre Matosinhos é muito pouco para serem uma alternativa no conselho… e para terem alguma credibilidade
Senão vejamos o que temos quanto aos nomes propostos para 2009:
Câmara Municipal
Fernando Queirós

Gonçalo Torgal
Assembleia Municipal
Ferreira dos Santos

Cecília Eira
Os nomes propostos em 2005
Câmara Municipal
Gonçalo Torgal
Ferreira dos Santos
Assembleia Municipal
Cecília Eira
Fernando Queirós
Concluo assim que não podem, ou não querem apresentar nada de novo e que, apesar de o BE ter crescido em número de votos no concelho, isso não se traduz numa melhoria e acrescento de credibilidade das suas propostas nem na melhoria da sua massa crítica na organização concelhia.
No que toca às linhas programáticas é uma repetição do que se disse em campanhas passadas
“o Bloco de Esquerda não alinha em acordos pré e pós eleitorais.”
Esta frase está estafada de tanto ser repetida… mas mesmo que alinhassem em tais acordos, tal não seria credível nem confiável, veja-se o caso do Sá Fernandes em Lisboa.
““O principal objectivo da nossa candidatura é alterar o rumo das políticas que têm vindo a ser tomadas. Não corremos atrás de lugares. A política é uma actividade de serviço público.”
Frase curiosa, já que não se percebe o que se querem alterar… nem como... Eles dizem que querem alterar o rumo, mas não dizem (não sabem) por onde querem ir...
Sobre o serviço público que se afirma ser a politica… é muito interessante que seja o Fernando Queirós a afirmá-lo, até porque é funcionário do BE... sendo evidente para os mais atentos que o Fernando Queirós nunca servirá o interesse público mas antes os interesses da facção que estiver no poder no Bloco de Esquerda, seu patrão…
Aliás é só pela necessidade de agradar à facção maioritária o motivo porque não faz parte da facção “ESQUERDA NOVA” que é essencialmente constituída pelos aderentes de Matosinhos!...
Não seria mais coerente não vir falar de serviço público?... mas falar antes da necessidade de garantir o seu emprego? Será que um maoísta convicto não é capaz de melhor argumentação?...
Em Matosinhos o BE apresenta um candidato que considera e afirma ser incompatível ser-se activista dos direitos humanos e “dar a cara pelo BE” embora essa não seja a opinião da Comissão de Direitos do BE… mas o que esperar de alguém que tem Mao Tsé-Tung como mentor?
“Ferreira dos Santos, candidato à Assembleia Municipal, defende a “qualidade da democracia” e a “participação cívica”.”
Ora aqui está uma frase que me assusta, vinda de quem vem, já que para se afirmar politicamente dentro do Bloco teve necessidade de criar uma facção que se intitula de “NOVA ESQUERDA” e de se associar aos de quem tão mal disse, como é o caso de Helena Carmo conhecida por ser da facção dos “metralhas”… será essa a nova participação cívica a que se refere?... por isso gostaria de ver esclarecido publicamente o que significa “ser dos metralhas” dentro do Bloco de Esquerda.
“Entende ainda que a Assembleia Municipal deve ser “um fórum institucional de debate de alternativas” e não “o órgão formal, burocrático e esvaziado de poder”. Quanto às juntas de freguesia, Ferreira dos Santos é da opinião de que estas devem “assumir parte da gestão do concelho, sem submissões, sem subserviências”.
Frase brilhante para um candidato a uma Assembleia Municipal!... é que com esta frase o candidato não se propõe só à “participação cívica” local, como também se propõe mudar a lei autárquica em sede de Assembleia Municipal… e atribuir competências à Assembleia Municipal muito para além das que estão estabelecidas por lei… é surpreendente como se pode afirmar isto… sem que quem sabe o que está em causa e quais as competências da Assembleia Municipal não desate a rir!... esta frase não passa pois de mais uma demonstração da falta de preparação de quem se propõe intervir na cena politica concelhia...
Se um dia um governo decidisse cobrar imposto pelos disparates que se dizem por ai… o défice reduziria, haveria menos poluição política e esta seria mais ecológica e sustentável ;))
“Fernando Queiroz quer “transformar Matosinhos num concelho virado para o século XXI”, através da promoção da competitividade quer em termos nacionais quer internacionais, de uma política social de habitação, de uma política cultural de apoio e promoção da produção local, da defesa do património natural e da adopção de energias mais limpas e comportamentos ambientalmente sustentáveis.”
· É curioso usar conceitos adequados a um programa político nacional mas um bocado fora de um programa político para intervenção local… especialmente se tivermos em conta que se trata do concelho de Matosinhos.
· Matosinhos tem uma política de habitação social consistente e de qualidade, não é a melhor do mundo mas é uma dos melhores do país.
· Matosinhos não pode estar virado para o século XXI, Matosinhos está no século XXI e, no que respeita à política ambiental, social e cultural, está à frente da maioria dos concelhos nacionais.
· Matosinhos, de acordo com um estudo de João Teixeira Lopes, tem uma boa politica cultural e essa politica cultural atrai uma parte significativa de público da área Metropolitana do Porto pela sua diversidade e qualidade.
· Matosinhos tem desenvolvido uma política ambiental que foi enaltecida pelo MPT (partido que se assume antes de mais como partido ecologista)
O que significa de facto votar no Bloco de Esquerda em Matosinhos? Votar no BE em Matosinhos não é a mesma coisa que votar Bloco de Esquerda no Porto pois o BP tem uma candidatura bem mais credível e capaz.
Votar BE em Matosinhos significa votar na facção “ESQUERDA NOVA” e dar força a esta corrente mesmo quando o seu trabalho no concelho seja muito perto do zero… Sintomático é que se abstêm na Assembleia Municipal na maioria das questões.
Quando se tem a necessidade de adjectivar de “NOVO” quase sempre se está a querer esconder alguma coisa…
Pode-se ler sobre esta facção aqui e aqui
Aderentes da “ESQUERDA NOVA” em Matosinhos… é curioso porque quase se podem considerar uma facção familiar… tipo piza familiar.
Ana Lúcia Dias Garcia – Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Mafalda Sofia Dias Garcia – Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Avelino Domingos Ribeiro Garcia - Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Inês Lúcia Santos Moura - Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Cecília Augusta Moutinho Silva - Matosinhos/ S. Mamede Infesta
José Joaquim Ferreira dos Santos - Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Maria da Graça Ferreira Ribeiro Pinto - Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Jorge António Caetano dos Santos – Matosinhos/ S. Mamede Infesta
Dulce Cristina Coelho Resende Ramos - Matosinhos/ Leça da Palmeira
José Fernando Oliveira Basto - Matosinhos/ Leça da Palmeira
Gonçalo Manuel Lemos Reis Torgal - Matosinhos/ Leça da Palmeira
João Luís Ferreira Queirós - Matosinhos/ Leça da Palmeira
Cecília Eira – Matosinhos/Leça da Palmeira
João Pedro Moreira Freire - Matosinhos/ S. da Hora
Carlos Maria Miranda Mota - Matosinhos/ Lavra
.

6 comentários:

Anónimo disse...

otília, como podes dizer isso de gente tão bonita?. Estou desiludida contigo. Vi-te no lançamento da campanha do Guilherme Pinto. Começo a pensar se não pretendes potagonismo político. Porque não integras qualquer lista? Mostra quantos votos vales.
Beijihnos da Esquerda Velha

otília gradim disse...

É verdade!... são lindinhos ;)

Sobre entrar numa lista... já entrei!... na lista de espera das pequenas cirurgias para tirar uma unha encravada ;)) e fico-me por ai!...

Quanto ao meu apoio pessoal ao Guilherme Pinto já lho declarei e ele usa-lo-a como quiser.

Também te vi lá mas deves ter ido só veres quem estava... pareceu-me que estiveste só de passagem

JOSÉ MODESTO disse...

Cara Otilia, a familia é importante no nosso horizonte Politico...pode aparecer alguém que queira abrir um café por exemplo...aí fica tudo em familia...

Saudações Marítimas
José Modesto

otília gradim disse...

José,

Tive o cuidado de perguntar se tinha havido ou não concurso para a cedência do espaço a que se refere e foi-me dito que sim.
Fazendo fé que houve concurso... terei que lhe lembrar que ninguém pode ser beneficiado ou prejudicado por ser filho de alguém… mesmo que não se goste da pessoa
Um abraço

Américo Freitas disse...

Otília, não percebo porque saís-te do BE, deixando essa malta orfa.
Quem lhes valerá? Olhando a cara deles logo se vê que era malta da borga, sempre bem disposta.
Não tens medo de ser metralhada?

otília gradim disse...

Américo,

Isto é o retrato de uma minoria dentro do BE
E não, não tenho medo!
Acho que eles é que podem ter medo de mim ;))