10 de junho de 2008

UM ANO NO TRÁFICO DE MULHERES

UM LIVRO A LER
.
«Todos conhecemos também alguma criança de treze anos; uma filha, uma irmã, uma neta, uma vizinha… eu lembrei-me da Patrícia, a filha da minha ex-cunhada, e por um instante imaginei-a a ela nas garras de uma rede como a do mexicano. Imaginei-a vendida como uma boneca de trapos humana e colocada a trabalhar num qualquer bordel de luxo para clientes exigentes. Visualizei-a sendo manuseada por um empresário babado, suado e seboso como o Manuel. E mal consegui conter a minha ira […] Graças a Deus, aquele arrebate durou-me apenas uns instantes. Sou um investigador e não um piquete de linchamento, mas a verdade é que a investigação estava a passar dos limites. Torna-se difícil entrar no papel de um sacana sem escrúpulos, como supostamente o são todos os traficantes de seres humanos e de drogas, e evitar que a representação não te devore.»
António Salas
.
-Porque há clientes para todas…
E o narcotraficante mexicano tinha razão. Sem o saber, tinha-me fornecido a chave daquilo tudo. O verdadeiro motor do negócio das máfias não é a proliferação de mulheres dispostas a prostituir-se para saírem da miséria, nem tão pouco os proxenetas, os chulos e os traficantes, nem sequer os «honrados empresários» que lucram com os bordéis… o verdadeiro motor do negócio do sexo são os clientes. Os prostituidores. Aqueles que andam à procura do produto, aqueles que dão origem à oferta.
(pag. 404)
.
UM ANO NO TRÁFICO DE MULHERES
António Salas
Dom Quixote - Livros d'Hoje

2 comentários:

Carlos II disse...

Um look mais refrescante.
Estarei atento a esta leitura.

Bjs

Anónimo disse...

DEa facto, traficar sem qualidade é crime!!!