6 de janeiro de 2008

LUIS PACHECO, UM GRANDE ESCRITOR E UM AMIGO










2 comentários:

carlosrocha disse...

Não era agora aos 60 anos, que ia desmamar umas criancinhas, pelo facto de andarem por aí, com o umbigo à mostra e aparelho corrector nos dentes. Além disso o tempo não está para essas coisas. E se eu gramava assim umas coisas, como o Sade pensava e escrevia. Mas como estou, só se fosse para papar uns almoços e uns copos de tinto. Papei alguns à Zé. Uma miuda que queria que eu fosse viver com ela. A Zé com três filhos menores, fruto de 2 casamentos e muita porrada. Ela tinha ciumes do Cesariny. Dizia que ele era pior do eu. Uns desavergonhados.Era como ela pensava das nossas conversas e da má vida que os dois fazia. Quero lá saber.
Perdi os meus pais, três mulheres. Perdi amigos. Estou falido. Que importa. Mas não perdi a dignidade. A minha obra está acabada. Os outros que façam o prefácio. Até já.


Texto meu e breve em memória de Pacheco.


Carlos

CHÁ DE TÍLIA disse...

Já leste o livro que saiu sobre ele?... acho que se chama "crocodilo que voa".
Continuas a escrever muito bem! bjs