7 de fevereiro de 2007

É UM CASO DE POLICIA!!!

.
.
O director do Matosinhos Hoje o sr Joaquim Queirós vem corrigir a mão na versão online do “seu” jornal, mas... corrige mal!
Já que não escreve que Gonçalo Torgal é pelo SIM no referendo da Interrupção Voluntária da Gravidez!!!
Escreve o seguinte: “Na nossa edição de 6 do corrente (nº. 701) publicamos um texto de opinião, assinado pelo arq. Gonçalo Torgal, intitulado “Votar não”
Que Gonçalo Torgal não escreveu!!!!
“Trata-se de um lapso lamentável de nossa parte, quando da paginação electrónica, pelo que apresentamos as nossas mais sentidas desculpas ao nosso estimado colaborador e aos leitores.”
O que está aqui errado não é a paginação, é a autoria do artigo!
“Acontece, mas não devia acontecer.”
Não acontece quando falamos de jornalistas... confesso que nunca soube de um caso semelhante!
"Tem o arq. Gonçalo Torgal toda a razão para se sentir ofendido, isto até porque, dados os problemas informáticos que tivemos, não conseguimos detectar a origem de tal texto."
Problemas informáticos muito a propósito! Pergunto: a origem de tal texto não deveria ser vista e confirmada antes de se publicar o artigo de opinião?... E os danos causados?...




QUEM NÃO SE SENTE NÃO É FILHO DE BOA GENTE...

1 comentário:

Sem Quorum disse...

Ou é um lapsus linguae típico de um freudiano acto falhado, ou então uma encapotada censura. Das duas uma. Mas o resultado é o mesmo: o que é preciso é fazer crer que o "não" é que está a dar.
Abraço ao Gonçalo e a minha solidariedade com o amargo sapo que o fizeram engolir. Cumprimentos ao Sr. Queirós pela criatividade e apurado sentido de marketing.
Bjis,
ALM