15 de fevereiro de 2007

O SR. JOSÉ NÃO SABE A ONDE VAI SER CANDIDATO, MAS... É CANDIDATO!

.
O sr. José, ex. Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, depois de ter sido impedido pelo seu partido de se candidatar novamente à referida câmara, procura desesperadamente um lugar, senão igual, pelo menos parecido com o que tinha... apesar de já se encontrar reformado.
Tem-se verificado que o sr. José luta diariamente contra o seu narcisismo... mas em vão, já que é notória a sua determinação para se manter como notícia... ele é na rádio de matosinhos, ele é no matosinhos hoje...
Uma das últimas noticias que li sobre o sr. José foi a sua “magnânime” decisão de retirar a queixa contra um funcionário do PS que o acusava no caso da lota de Matosinhos, sem que esse funcionário tivesse retirado as afirmações que proferiu e que motivaram tal queixa.
Compreende-se que tenha posto um fim a um processo que poderia vir por a nu a verdade sobre o que realmente ocorreu na lota de Matosinhos... mas o sr. José não quer voltar a falar nisso.
Mais recentemente tem sido muito noticiada a sua disponibilidade para ser candidato a qualquer câmara, tendo sido até ventilada a hipótese de se candidatar à câmara de Gondomar... é estranho!
Primeiro porque se sabe da sua ambição em relação à distrital do Partido Socialista... o que não está fácil, mesmo com os amigos de um ou outro concelho, e por outro lado é conhecida a faceta do sr José para só se meter em lutas que de antemão sabe ganhas... o que não será o caso, embora o PS de Gondomar esteja a contar com que o Valentão não se candidate.


Entre um e outro … venha o diabo e escolha!

9 de fevereiro de 2007

CRIME OU CASTIGO?

.
DA PERSEGUIÇÃO CONTRA AS MULHERES ATÉ À DESPENALIZAÇÃO DO ABORTO
ANA CAMPOS

7 de fevereiro de 2007

É UM CASO DE POLICIA!!!

.
.
O director do Matosinhos Hoje o sr Joaquim Queirós vem corrigir a mão na versão online do “seu” jornal, mas... corrige mal!
Já que não escreve que Gonçalo Torgal é pelo SIM no referendo da Interrupção Voluntária da Gravidez!!!
Escreve o seguinte: “Na nossa edição de 6 do corrente (nº. 701) publicamos um texto de opinião, assinado pelo arq. Gonçalo Torgal, intitulado “Votar não”
Que Gonçalo Torgal não escreveu!!!!
“Trata-se de um lapso lamentável de nossa parte, quando da paginação electrónica, pelo que apresentamos as nossas mais sentidas desculpas ao nosso estimado colaborador e aos leitores.”
O que está aqui errado não é a paginação, é a autoria do artigo!
“Acontece, mas não devia acontecer.”
Não acontece quando falamos de jornalistas... confesso que nunca soube de um caso semelhante!
"Tem o arq. Gonçalo Torgal toda a razão para se sentir ofendido, isto até porque, dados os problemas informáticos que tivemos, não conseguimos detectar a origem de tal texto."
Problemas informáticos muito a propósito! Pergunto: a origem de tal texto não deveria ser vista e confirmada antes de se publicar o artigo de opinião?... E os danos causados?...




QUEM NÃO SE SENTE NÃO É FILHO DE BOA GENTE...