26 de novembro de 2006

ESQUERDA UNIDA... À DIREITA!

João Avelino, Clarisse de Sousa, Fernando Queirós, Luis Santos e Claudino Silva, criaram o movimento de cidadãos "Quinta da Conceição - Privatização Não!"
Neste post é feita referencia ao artigo do jornalista José Maria Cameira publicada na pag. 6 do Jornal de Matosinhos na edição de 24 de Novembro de 2006 (mal me seja possível farei o link directo ao artigo)
A concessão a privados da exploração da Quinta da Conceição é um assunto de vital importância para Matosinhos!... A prova-lo está a aliança que o Bloco de Esquerda fez com a CDU e o PSD para criar um movimento de “cidadãos” Quinta da Conceição – Privatização Não! Pergunto-me, e não consigo uma resposta aceitável (a não ser a do puro oportunismo) como justificar que esta mesma esquerda, agora em aliança com a direita, não se tenha constituído em movimento de “cidadãos” há muito mais tempo para impedir a privatização da água e saneamento, a privatização da manutenção dos espaços verdes e mais recentemente a privatização da recolha dos lixos?... será porque a direita aprovou todas estas privatizações?!
Como não considerar o movimento "Quinta da Conceição - Privatização Não!" como um movimento político-partidário?... Não é um movimento político – partidário?... mas se ele é encabeçado por João Avelino, dirigente do Partido Comunista Português, deputado municipal e porta voz do grupo municipal da CDU; Fernando Queirós, deputado municipal e porta voz do grupo municipal do Bloco de Esquerda; Clarisse de Sousa, líder da Comissão Política Concelhia do PSD e que votou todas essas privatizações. Não percebe esta colagem da Clarisse de Sousa, a não ser por uma necessidade de protagonismo que não terá de outro modo, já que não é autarca pelo seu partido e, sendo a direita defensora de toda e qualquer privatização e do desmantelamento da “coisa pública” em benefício dos privados, venha agora manifestar-se publicamente contra a concessão da gestão da Quinta da Conceição a privados.
O que verdadeiramente está em causa não é só a concessão, a privados, da gestão da Quinta da Conceição (verdadeiro presente envenenado que Narciso Miranda deixou a Guilherme Pinto), mas sim os valores que envolvem este negócio!!É que é de um verdadeiro “negócio da china” que estamos a falar... de um negócio em que a Câmara se predispõe a gastar 1.637.500,00 € para receber em troca 604.000,00€ (valores de 2005). Não, não houve engano nos números! … Para privatizar a gestão da Quinta da Conceição a Câmara propõe-se a gastar quase três vezes mais do que aquilo que irá receber pelo “negócio”.O melhor é analisarmos os números mais em pormenor: Para concessionar a Gestão da Quinta da Conceição pelo período de 5 (cinco) anos a Câmara estipula como base de licitação o valor de 604.000,00€, valor esse que permitirá ao concessionário explorar as seguintes áreas de negócio:
· Exploração da Piscina Municipal;
· Exploração do Campo de Jogos de Ténis;
· Exploração de Eventos de Animação e Lazer em período nocturno;
. Exploração da Explanada;
· Exploração do Bar do Campo de Ténis;
· Exploração do Bar da Piscina.
Para garantir as boas condições de funcionamento destes negócios a Câmara pagará ao concessionário, no primeiro ano, 947.500,00€ para que este efectue finalmente as obras que a Quinta da Conceição há tanto precisa (construção de sanitários e reparação das diversas infra-estruturas existentes, pavimentação do campo de ténis, construção e arranjo dos jardins e colocação de bancos, papeleiras etc.)
Finalmente, a cereja no topo do bolo, porque a utilização da Quinta da Conceição pelos, até aqui, utentes, mas, a partir do momento em que a negociata se concretize, clientes, irá causar desgastes no equipamento concessionado, a Câmara irá pagar ao concessionário 690.000,00€, para cobrir as despesas de manutenção do equipamento concessionado. Aqui convém relembrar que o negócio em questão é a GESTÃO da QUINTA da CONCEIÇÃO, e que não é preciso ser nenhum perito para se saber que o conceito de “GESTÃO” engloba não só a EXPLORAÇÃO, mas também a MANUTENÇÃO do equipamento concessionado.Como se pode verificar, nesta negociata, pois é de uma verdadeira negociata que se trata, a Câmara propõe-se a gastar 947.500,00€ para pôr “como novo” e a funcionar em pleno um equipamento acabado de entregar à gestão de uma entidade privada, e desembolsará, por cinco anos dessa gestão privada, 86.000,00€, dinheiro que constituirá um lucro para o concessionário, que o irá somar ao vultuoso lucro que irá obter da exploração dos negócios listados em um !!!!!!!!!

25 de novembro de 2006

QUINTA DA CONCEIÇÃO... UM CASO DE MÁ GESTÃO DA COISA PÚBLICA!

Mas o que se passa agora com a Quinta da Conceição, sucedeu também com a recolha do lixo, manutenção dos espaços verdes, com a distribuição da água e saneamento. Pode-se portanto identificar uma tendência e desenhar um quadro de análise mais rigoroso. O pensamento único que hegemoniza hoje é o que concebe os poderes públicos como intrinsecamente maus gestores, parentes pobres da iniciativa privada. Tal é tanto mais grave quando a assunção de culpa é feita pelos próprios responsáveis políticos que alegam a sua incapacidade para a gestão da “coisa pública”. As Câmaras dedicam-se ao outsourcing de serviços, as pessoas deixam de ser cidadãs e passam a ser clientes. A ideologia liberal retorna, põe em causa bens públicos essenciais e mina os fundamentos para a participação e controlo democrático do/as cidadã(o)s. A receita dos tempos modernos é afinal bem velha. Alguém ganha com isso, mas não é seguramente a comunidade.

HUGO RODRIGUES DIAS

Licenciado em Sociologia Doutorando na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra

.

O DISPARATE É LIVRE

Também contra privatização da Quinta da Conceição, o bloquista Fernando Queirós defende que “os espaços verdes não deve ter animação nocturna intensa que gestão privada vai querer”. “A natureza também precisa de descansar”, argumenta o líder da bancada do BE, sustentando que “há sempre eventos que atraem gente pouco cívica, com hábitos mais exuberantes e embriagados”.



24 de novembro de 2006

A MÃE... LOGO LHE CHAMOU NARCISO

Há uma coisa que lhe quero dizer: não tenho complexos, tenho a auto-estima muito alta, nunca tive medo dos “medos”, nunca tive medo das sombras, sou muito afirmativo, muito convicto, actuo sempre na base de causas e valores...

Não diz é que valores...