terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

degole-se o Marquês

Quando leio notícias ou vejo imagens das barbaridades que o “Estado Islâmico” comete contra outros seres humanos sou invadida por uma revolta que me traz ao de cima o pior que há em mim… ódio, raiva, vontade de lhes dar a provar os seus próprios métodos…  
Infelizmente nos últimos tempos e à medida que se vão sabendo pormenores do processo Marques tenho sido assaltada pelos mesmos sentimentos… ódio, raiva e vontade de retaliar pelos mesmos métodos.
O processo Marques está em segredo de justiça, situação ideal para a acusação uma vez que lhe permite promover um julgamento na praça pública sem que se possa verificar da veracidade das informações passadas para a comunicação social e com isso manipular a opinião pública e fomentar os ódios de estimação
Só num Estado de Direito o cidadão tem garantido que será julgado de acordo com a lei e não de acordo com as convicções ou preconceitos de um qualquer juiz ou procurador.  Deixar a justiça ao sabor da discricionariedade dos seus agentes é uma opção que nem se coloca e quando um processo atenta contra as regras de um Estado de Direito ele atenta contra a liberdade colectiva e ou individual.
Ora o processo Marques, na minha opinião, tem atentado contra o Estado de Direito de uma forma violenta, fazendo-me mesmo temer pela minha liberdade.
Quando li a denúncia feita pela advogada Paula Lourenço fiquei em estado de choque e, apesar de me predispor a  acreditar na veracidade dos factos  denunciados, ainda acalentei a esperança de que nem tudo fosse exactamente assim.  Qual não é pois a minha admiração quanto vejo esta noticia 
http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4404778
Ela acaba com qualquer esperança que pudesse ter quanto à correcção de procedimentos dos agentes da justiça no caso Marquês! 
Diz a noticia:
“depois de abordados pelos agentes, ambos, mesmo ainda sem terem sido formalmente detidos e constituídos arguidos, consentiram nas diligências que se prolongaram até à madrugada do dia seguinte: buscas aos carros, escritórios e casas e revistas pessoais”
Interpreto do seguinte modo:
"os visados vinham tão entediados com a viagem que acabavam de realizar que, ao encontrarem os agentes à sua espera, decidiram OFERECEREM-SE PARA SEREM DETIDOS e realizar uma farra/festa … começando pelas revistas pessoais (sim, que aquilo deve dar um gozo pessoal do caraças!)...  seguindo com a farra /festa nos escritórios  e terminando nas suas casas de habitação" e a esposa de um desses voluntários, surpreendida com tão grande festa/farra dada na sua própria casa, decidiu juntar-se-lhes e trazer as crianças para assistirem.
A noticia acrescenta:
- “Como ambos assinaram os respectivos autos de buscas, tal poderá servir para o procurador fundamentar o consentimento.”
Gosto desta afirmação, gosto mesmo muito desta afirmação! Mas (e há sempre um mas)… levantam-se muitas questões nesta minha mente perversa.
A assinatura dos autos de busca pelos visados não prova o seu prévio consentimento e muito menos prova o prévio consentimento da esposa nas buscas feitas no seu domicilio assim como nunca poderá servir para autorizar o seu interrogatório. Se a queriam ouvir como declarante ou testemunha, convocavam-na para o efeito, de acordo com as regras definidas pela lei.
Parece-me que estão a justificar o injustificável !! Aguardemos... 

domingo, 19 de outubro de 2014

carta aberta dirigida por Cristina Martins ao Presidente da Comissão Nacional de Jurisdição do Partido Socialista

Carta aberta a

Exmo. Sr. Doutor Ramos Preto
Presidente Comissão Nacional de Jurisdição

Deveria começar esta carta expondo as razões porque lha dirijo, mas a minha indignação é tal que começo pelo fim e exorto-o a demitir-se! Se tem uma réstia de dignidade demita-se! Porque a forma como o Sr. Dr. se envolveu enquanto Presidente da Comissão Nacional de Jurisdição no “processo disciplinar” que contra mim inventaram é indigno de um qualquer democrata e será mais grave ainda se o seu patrocinador for jurista e presidir ao órgão jurisdicional máximo do Partido Socialista. E relevo que, como se não fosse suficiente o facto do Presidente da CNJ se portar à margem das mais elementares regras democráticas, teve o descaramento de envolver toda a CNJ, levando-a participar num processo persecutório feito por encomenda!

Não deveria ser preciso lembrar-lhe e aos membros da CNJ que não existe Socialismo Democrático se não existir Estado de Direito como também não deveria ser necessário recordar-lhes o quanto o Partido Socialista se empenhou na construção de um Estado de Direito Democrático em Portugal.

Desde o início deste processo que era percetível que a decisão de me expulsarem já estava tomada. O que nunca quis acreditar é que a vossa arrogância vos levasse a mostrar um profundo desprezo pelos estatutos do Partido Socialista e pela Constituição da Republica.

É verdade que foi a mim que quiseram expulsar, invocando o nº 2 do Artigo 14º dos Estatutos do Partido Socialista e o nº1 do Artigo 19º do Regulamento Processual e Disciplinar do PS, mas eu atrevo-me a afirmar que se alguém merece ser expulso do PS com base nos citados artigos, esse alguém é você, pois foi o senhor quem, ao violar da forma como violou os Estatutos do PS, cometeu a falta disciplinar grave que justifica a aplicação de tal pena.

E não sou eu quem o indicia do cometimento dessa tal falta grave, pois quem afirma que os Estatutos do PS foram alvo de flagrante e manifesta violação no processo que contra mim conduziu é o Tribunal Constitucional, no seu Acórdão nº 684/2014 como poderá, por certo, verificar:







Ex.mo Senhor Doutor Ramos Preto,

Sob a sua liderança, a CNJ não se coibiu de patrocinar contra mim um processo de intenções infame e persecutório, com o declarado objectivo de me expulsarem do PS, pelo que, se ainda existem em si alguns resquícios de dignidade e vergonha na cara só lhe resta apresentar o seu pedido de demissão, libertando assim o supremo Órgão Jurisdicional do Partido de uma liderança que só apouca o Partido Socialista


Coimbra, 19 de Outubro de 2014

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

António José Seguro sofreu a sua segunda derrota!!!

António José Seguro sofreu hoje a sua segunda derrota!!!
O PS de Seguro patrocinou um processo disciplinar indigno de um partido democrático que conduziu a Cristina Martins à expulsão.
O Tribunal Constitucional declarou a inconstitucionalidade de tal expulsão!!



segunda-feira, 13 de outubro de 2014

vamos brincar às pandemias

Esta noticia é hilariante, mas podia ter sido uma tragédia e veio provar o quão impreparados estão os serviços médicos. 
Só o facto de o resultado ser negativo é que faz com que esta história seja hilariante e não uma tragédia!! 
Ora vamos lá aos factos:
1 - Uma pessoa, que esteve numa das zonas africanas referenciadas, recorre aos serviços médicos particulares com sintomas que se enquadram na patologia do ébola 
2 - Os serviços médicos particulares confirmam o risco de se estar perante uma contaminação pelo ébola e recomendam à pessoa o recurso ao Serviço Nacional de Saúde.
3 - A pessoa recorre aos SNS e para tal desloca-se pelo próprio meios...
Conclusão:
ou esta treta é uma encenação ou, a haver o mínimo de suspeita, como é possível que um médico/a recomende a uma pessoa suspeita de estar contaminada com o vírus ébola que se desloque pelos seus meios a um hospital do SNS sem accionar de imediato os mecanismos de alerta adequados para impedir a contaminação de terceiros?...
Mural da história: se o resultado das analises tivesse sido positivo qual era o cão que iam abater neste caso...?

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Ernesto Pascoa já apresentou a demissão de presidente da Comissão Politica Concelhia?

convinha que apresentasse a demissão para poupar os socialistas de Matosinhos a estas figurinhas tristes de andar a fazer queixinhas idiotas





















JN, 02-08-2014

quarta-feira, 25 de junho de 2014

ULTIMA HORA:


Paulo Bento não se demite e propõe primárias para a Federação Portuguesa de Futebol

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Seguro está a transformar o PS numa OLIGARQUIA

Há quem não perceba o que se passa com os Estatutos do PS... basicamente eles foram blindados para permitir práticas pouco democráticas!!!
Deixo-vos uma cópia dos Estatutos do PSD onde 2500 militantes são suficientes para convocar um congresso extraordinário.

terça-feira, 3 de junho de 2014

quinta-feira, 29 de maio de 2014

quarta-feira, 28 de maio de 2014

sejamos sérios!!

discutíamos há dias que se a direita tivesse 30% nas eleições europeias era uma grande derrota!!

a vitoria do PS foi de 31,48% e dizem que foi uma grande vitória...?!

terça-feira, 27 de maio de 2014

analise dos resultados eleitorais no concelho de MATOSINHOS

verifica-se que

PS
2009 teve 21 462 votos
2014 teve 21 313 votos
ou seja PERDEU 149 votos

de onde se conclui que o PS continua a perder votos depois de nas ultimas eleições autárquicas ter sofrido uma derrota humilhante.
Matosinhos dificilmente voltará a dar vitórias garantidas ao PS

PSD + CDS
2009 teve 19742 votos [4 282 do CDS + 15 460 do PSD]
2014 teve 13 315 votos
ou seja o PSD+CDS perderam 6427 votos

a coligação PSD+ CDS em Matosinhos sofre uma derrota em linha com o que se passou em todo o distrito e perde 6 427 votos

BE
2009 teve 7 904 votos
2014 teve 3 490 votos
Ou seja perdeu 4414 votos

O BE Matosinhos sofre uma derrota humilhante muito por causa da derrocada nacional mas também porque a estrutura do BE Matosinhos tem perdido capacidade de intervenção politica

PCP- PEV
2009 teve 5 148 votos
2014 teve 6 598 votos
Ou seja ganhou 1 450 votos

um ganho em linha com o que aconteceu a nível nacional

MRPP
2009 teve 594 votos
2014 teve 952 votos
Ou seja ganhou 358 votos

espantoso!!! até o MRPP em Matosinhos subiu !!!

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

António Parada cumpre promessa eleitoral e projecta Matosinhos... no ridículo!!



JN - Porto pag. 30
quarta feira 26/2/14

"Reunião de Câmara parada por distúrbios"
...
"as regras a ser reiteradamente incumpridas por algumas cidadãs, habitantes dos bairros sociais, mas também pelo vereador socialista António Parada.
Enumeremos os factos.
Facto primeiro: duas inquilinas da MatosinhosHabit foram queixar-se de avarias nas campainhas.
Facto segundo: António Parada antes da ordem do dia, falou em cartas que estão a ser enviadas aos inquilinos da MatosinhosHabit, dando-lhes conta de que são responsáveis pelas reparações no interior das casas; e disse que danos com causa externa, como infiltrações, devem ser imputadas ao Município.
Facto terceiro: Guilherme Pinto clarificou que a MatosinhosHabit paga reparações no interior das casas, se os danos decorrerem de causa externa ou, ainda, se a pobreza dos arrendatários o justificar.
Facto quarto: Parada, dirigindo-se ao publico e fazendo gestos com as mãos, repetia o que Guilherme Pinto tinha dito, como se fosse ele a dizê-lo.
Facto quinto: as senhoras do publico manifestavam-se.
Facto sexto: o presidente notou repetidamente ao publico que não podia intervir.
Facto sétimo: com a questão esclarecida, António Paradapediu a palavra várias vezes, insistindo no mesmo; o presidente devolveu-lhe várias vezes a palavra.
Facto oitavo: Querendo avançar com a agenda , e depois de alguns avisos, Guilherme Pinto retirou a palavra a Parada,que continuou a falar, tendo como ruído de fundo os protestos saídos das galerias; o ambiente estava tenso, e o presidente suspendeu os trabalhos e mandou evacuar a zona do publico.
Nota final abstracta: a qualidade da oposição é um pilar da democracia"

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

a golpada que impôs o António Parada como candidato do PS em Matosinhos

Estou cansada de ouvir o argumento de que a escolha do Parada foi democrática.

Não é verdade!!!

Em Matosinhos não houve directas e o António Parada foi indicado candidato oficial do PS à Câmara Municipal de Matosinhos por uma deliberação da Comissão Política Concelhia de Matosinhos, deliberação essa que foi tomada sem que fosse tornado público e divulgado por todos os militantes do PS Matosinhos o início do processo para a escolha do candidato a Presidente da Câmara.

Pelo que houve quem impugnasse tal deliberação e pedisse a suspensão da sua execução...

Porém, o sr Presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP do PS – Emanuel Teixeira - pura e simplesmente ignorou os argumentos invocados pelo impugnante, indeferiu a impugnação à revelia dos regulamentos, por pretensa falta de legitimidade e não fez seguir para a Comissão Nacional de Jurisdição o pedido de suspensão da execução da deliberação em causa apesar de a isso estar obrigado pelo Regulamento Processual e Disciplinar do PS.

Infelizmente, na altura o militante que tinha feito a impugnação adoeceu e esteve internado mais de 3 semanas correndo grave risco de vida, pelo que não teve a possibilidade de continuar com o processo e levá-lo até ao Tribunal Constitucional, se no PS não lhe dessem razão, e a nomeação do Parada para candidato a Presidente da Câmara foi assim branqueada...

Para a história aqui ficam publicadas a Impugnação da Deliberação, o Pedido de Suspensão da Execução dessa Deliberação e a "douta" resposta do Presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da F D P do P S à Impugnação apresentada


IMPUGNAÇÃO DA DELIBERAÇÃO 
































PEDIDO DE SUSPENSÃO DA EXECUÇÃO DA DELIBERAÇÃO



















A "DOUTA" RESPOSTA AO PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO






terça-feira, 3 de dezembro de 2013

carta aberta ao Presidente Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS

Exmo. Sr. Presidente Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS
Doutor Emanuel Teixeira

Deveria começar esta carta pedindo-lhe desculpa pela minha arrogância… mas não o faço!! e não o faço pela simples razão de que o sr doutor demonstra ter uma arrogância muito maior que a minha!!
Sobre arrogância estamos conversados… a sua arrogância é maior!
No entanto há algo que eu tenho em maior quantidade que o sr  doutor… e que é vergonha!!
… Pois eu, Otília Gradim Reisinho, morreria de vergonha  se fosse presidente de uma Comissão Federativa de Jurisdição  do PS e  me permitisse organizar um processo disciplinar  tal e qual  aquele que o sr, enquanto presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS  me mandou instaurar e do qual tem sido o Relator.
Que o Ernesto Pascoa tenha assinado a participação eu compreendo... primeiro porque o Ernesto Pascoa tem várias limitações, a ponto de nos fazer crer que ainda tem interiorizados valores muito queridos à ditadura Salazarista… como ressalta da forma como escolheu a prova para tal participação. Não consigo é compreender como o sr. doutor que, no mínimo dos mínimos terá que ter uma licenciatura em direito, é patrocinador duma acusação com a qual o denunciante pretende o afastamento de um seu adversário do acto eleitoral a que concorre (não será isto pretender ganhar na secretaria, com recurso a golpes fraudulentos, aquilo que se teme não se conseguir ganhar nas urnas?) …

E não é que agora, terminado que foi o prazo para eu apresentar a minha defesa, vem o senhor Relator emitir um despacho autorizando que me sejam fornecidas as fotocópias da participação que eu tinha requerido no principio deste processo disciplinar, fotocópias essas que o senhor presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS, em dois anteriores despachos, me tinha negado, o primeiro com o argumento de que “é consabido que o Regulamento Processual e Disciplinar e os Estatutos do PS apenas prevêm a consulta e jamais a realização de cópias” e o segundo com os argumentos de que o despacho em que me negava as fotocópias  não admitia recurso por contemplar “uma decisão que é de mero expediente e ainda de poder discricionário”
Será que o senhor Relator descobriu um novo significado para o termo “consabido” e que está agora a admitir formalmente que o 1º despacho do senhor presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS nem era um despacho de mero expediente nem foi praticado no uso de um poder discricionário?
… ou será que tudo isto não passa apenas de uma tentativa do senhor Relator de limpar com uma mão a borrada que o senhor presidente da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS tinha feito com a outra???

Eis o despacho que recebi ontem e que motiva esta minha “carta aberta”





























O qual foi emitido após Lisboa ter recebido a seguinte impugnação que enviei directamente para a Comissão Nacional de Jurisdição 




















Para quem não acompanhou o processo de inicio fica aqui os links para os documentos juntos

doc 01


doc 02 

doc 03


doc 04


doc 05 pag 1 ; pag 2  ; pag 3


sexta-feira, 29 de novembro de 2013

6ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"


Na crónica anterior publiquei a nota de culpa e o relatório a ela associado que, no dizer do relator continham a acusação que me é feita e respectiva fundamentação.
A acusação efectivamente lá estava. Fundamentação é que nem vê-la!!!
Tive que explicar aos doutos senhores/as da Comissão Federativa de Jurisdição da FDP/PS que num processo disciplinar o ónus da prova recai sobre quem acusa e não sobre o arguido .
Depois convém que quem acusa saiba o que está a fazer e cumpra as regras estabelecidas para a elaboração de um processo disciplinar... pois se não o fizer poderá ver o processo anulado!
Sem mais comentários... deixo-vos a minha defesa  









5ª "crónica de uma expulsão previamente anunciada" ou "crónica de um processo de intenções"

Depois das anteriores crónicas onde ficou demonstrado uma serie de erros formais e a aberração da acusação que me é feita com o objectivo de me expulsar do Partido Socialista, Emanuel Teixeira decidiu ignorar tudo o que aleguei no meu exercício de audição prévia e continuou com o processo, com vista à minha expulsão.
Aqui fica a nota de culpa e o relatório com que sustenta essa nota culpa.
Pelo menos podiam esforçarem-se um bocadinho mais pois este relatório em que se sustenta a acusação que me fazem é de uma pobreza mais que franciscana e não sustenta minimamente qualquer acusação contra mim feita.